INFOGRÁFICO | Como poupar com a chegada do primeiro filho

|Posted by | Lifestyle, Multimédia, Todos os Artigos
Tags: , ,
Como poupar

 

Muitas vezes, devido ao receio de não conseguir suportar os gastos que ter um filho implica, os jovens casais tendem a adiar a vinda de um novo membro na família. Por esse motivo, a taxa de natalidade tem decrescido drasticamente em Portugal. Reunimos neste infográfico o valor aproximado de todos os gastos que o nascimento de um bebé envolve para saber como poupar com a chegada do primeiro filho.

Como poupar com a chegada do primeiro filho?

Através de dicas muito simples poderá conseguir uma verdadeira poupança quando se trata de receber um novo membro na família. Compre apenas o essencial; o mundo dos bebés poderá deixá-la encantada, mas lembre-se que todos estes produtos são caros, por isso não se perca nas compras e tente evitar gastos desnecessários.

Existem inúmeras lojas onde pode comprar produtos destinados a bebés. Com decorações atrativas, preços elevados, tendências e produtos cada vez mais modernos, dão aos consumidores vontade de seguir a moda e comprar apenas porque as outras mães têm.

Ora, seguir as modas pode ser uma atividade apetecível e atraente, mas, no entanto, se o fizer pode vir a ter certos gastos que, avaliando devidamente e com cabeça, acaba por concluir que não precisa realmente.

Neste infográfico da nossa autoria, tentamos ajudar os pais de Portugal a poupar dinheiro em certos e determinados gastos relacionados com os filhos. Alimentação, vestuário, saúde e bem-estar, transportes e brinquedos são algumas das despesas que admitimos nas contas que fizemos. Vejamos então quanto custa a chegada de um rebento novo à família:

Como poupar

Nair Dos Santos

Sobre Nair Dos Santos

Especializada em Economia Internacional, a Nair iniciou o seu percurso profissional em Marketing Institucional. Alia a sua criatividade ao universo financeiro com o objetivo de ajudar os portugueses a melhorar a sua literacia financeira e contribuir para o desenvolvimento de uma economia sustentável.

Comentários