O que deve saber sobre o aumento do crédito ao consumo em 2015

|Posted by | Cartão de Crédito, Crédito Pessoal, Todos os Artigos
Tags: , , , , , ,

A confiança está, aos poucos, a regressar a Portugal (e ainda bem!), tanto da parte dos consumidores como das instituições financeiras, como aliás mostra o estudo Competitors “Crédito ao Consumo em Portugal”, publicado recentemente pela Informa D&B, que mostra que este ano prevê-se um aumento de cerca de 15% de crédito ao consumo concedido.

Os anos antecedentes

Até 2012, a procura do crédito ao consumo em Portugal tem sido penalizada devido à crise económica (que estalou em 2007), à fragilidade da despesa das famílias e às restrições à concessão de crédito por parte das instituições financeiras. Veja também a evolução do consumo em Portugal até aos dias de hoje.

Em 2013, durante o qual já se verificou uma retoma da atividade económica, o investimento já tinha disparado 14,8%, segundo o Banco de Portugal, tendo alcançado os 3.705 milhões de euros. Já no ano passado, o crédito disponibilizado para operações financeiras com vista ao consumo tinha subido 11,4%, preenchendo um total de 4.128 milhões de euros.

Deste valor, 59% correspondeu a instituições com atividade universal e os restantes 41% a instituições com atividade especializada no crédito – bancos e instituições financeiras de crédito -, seja pessoal, à habitação, automóvel ou cartões de crédito.

crédito ao consumo

Quanto ao futuro, as previsões a curto prazo apontam que haja uma continuação desta tendência ascendente do crédito no mercado português, tendo em conta o crescimento da despesa final das famílias, ou seja, os portugueses estão a gastar mais.

A atual conjuntura

Esta recuperação da economia portuguesa possibilita a antevisão de um aumento da procura do crédito a curto e médio prazo, sendo uma consequência a reanimação da atividade de muitas instituições que têm fechado a torneira nos últimos anos.

Quanto ao crédito em si, os principais destinos de investimento vão continuar a ser os serviços de consumo, como a saúde, o bem-estar ou a educação superior, sendo que a previsão do estudo é que o montante das novas operações de créditos concedidos registe no final deste ano um aumento de cerca de 15% para 4.750 milhões de euros, tendência se deve manter em 2016.

Dados gerais do crédito ao consumo

Para além das 16 instituições financeiras de crédito, no final de 2014 operavam em Portugal 64 instituições recebedoras de depósitos.

Estas estruturas ganharam dimensão e liquidez, não só devido a intervenções por parte do Estado, mas a operações de fusão e integração de empresas e a cessação de atividade de outros operadores nos últimos anos.

Na tabela abaixo podem verificar-se dados do Banco de Portugal relativos ao crescimento (2014/2013) e sua previsão (2015/2014) no que toca a investimento novo, assim como a concentração do montante do crédito ao consumo entre as principais instituições em Portugal.

Crescimento do investimento novo (11.4% variância de 2013 para 2014)
Instituições com atividade universal 8.5%
Instituições com atividade especializada no crédito 15.9%
Concentração (montante total crédito ao consumo – %)
5 principais instituições 47.3%
10 principais instituições 72.6%
Previsão de crescimento do investimento novo
% de variação de 2014 para 2015 15.1%

Como se pode ver, as dez principais instituições em Portugal detêm uma concentração total de crédito que equivale a 72,6% do total no país. Quanto à previsão de crescimento de investimento, estima-se a haja uma variação continuada positiva a rondar os 15,1%. Boas notícias!

Frederico Moura Martins

Sobre Frederico Moura Martins

Formado em Ciências da Comunicação e especializado em Ciência Política, o Frederico iniciou o seu percurso profissional em jornalismo e, posteriormente, em produção de conteúdos digitais. Procura aplicar a sua paixão por contar histórias na desmistificação da complexidade dos produtos e serviços financeiros para ajudar os portugueses a poupar e a tomar decisões informadas e conscientes nos diferentes âmbitos das suas Finanças Pessoais.