5 Dicas para ficar livre de dívidas até ao final de 2016

|Posted by | Poupança e Investimento, Todos os Artigos
Tags: , , , , ,

Se uma das suas principais resoluções para o ano 2016 é pôr um ponto final a todas as suas dívidas, então este é o artigo ideal para si. O ComparaJá.pt reuniu 5 dicas para melhorar a sua saúde financeira este ano e ficar livre de dívidas até ao final de 2016.

Ano novo, vida nova, e não incluir dívidas financeiras que representam pesados encargos mensais, poderá ser uma ótima oportunidade para investir num novo projeto na sua vida. Se até agora viu o seu orçamento limitado e não conseguiu disfrutar de uma vida financeira saudável, saiba como livrar-se de todas as suas dívidas. Através destas dicas, mostramos que, com algum esforço e disciplina, é possível concretizar esta meta!

O endividamento é algo cada vez mais comum na vida dos portugueses e muitas pessoas não sabem como resolver este problema, carregando pesados encargos mensais por longos períodos de tempo. Se definir um prazo limite, neste caso, até ao final de 2016, será mais fácil conseguir alcançar este difícil objetivo.

1. Comece já a amortizar as suas dívidas em mais 30%

Quando está a pagar uma dívida é normal pagar um valor fixo todos os meses, contudo, se considerar apenas esse valor, acabará por demorar um longo prazo de tempo até pagar a dívida total. A verdade é que, na maioria das vezes, ao pagar o montante estabelecido limita-se a cobrir apenas cerca de 3 a 5% do valor total do crédito.

Desta forma, acaba por demorar muito tempo até amortizar o seu empréstimo por completo. Assim, se reembolsar a sua dívida de forma mais rápida, acaba por compensar, visto que acaba por pagar o valor do empréstimo original.

Se obteve uma dívida de 5.000€ ao utilizar o seu cartão de crédito e paga uma mensalidade muito reduzida, então apenas terá toda a sua dívida paga em, pelo menos, seis anos e meio. Desta forma, acaba também por pagar mais, visto que poderá pagar até 8.000€ por um empréstimo de apenas 5.000€.

Aconselhamos que pague sempre mais que o valor mínimo estabelecido, de modo a amortizar a sua dívida até 30% (por exemplo, se pagar uma mensalidade de 50€, terá que pagar, aproximadamente, 65€).

Lembre-se que quanto mais rápido pagar o seu empréstimo, menos juros está a pagar e assim acaba por poupar.

2. Obtenha um crédito de baixo juro para pagar uma dívida de alto juro

Caso possua uma dívida de cartão de crédito em que é aplicada uma Taxa de Juro Anual Nominal (TAN) até 20%, poderá recorrer a um crédito pessoal com uma TAN inferior, à volta dos 8%, para poder reembolsar a dívida facilmente. Ou seja, para uma dívida com o valor de 7.000€, em cartão de crédito, em que é aplicada uma taxa de juro de 20% ao ano, poderá optar por adquirir um novo empréstimo pessoal, com o mesmo valor, mas com uma percentagem de juros apenas de 8%.

Assim, ao pagar a totalidade do montante de dinheiro contraído através do cartão de crédito, não serão cobrados juros e depois poderá pagar o seu empréstimo pessoal com uma taxa de juro mais reduzida. Com a Oney ou o Credibom, por exemplo, é possível adquirir um crédito rápido com uma TAN de 8.40% e 8.75% respetivamente.

Atenção, aconselhamos a que não volte a utilizar mais o seu cartão de crédito, pelo menos, até terminar o pagamento da totalidade do empréstimo pessoal.

3. Opte por um crédito consolidado

O crédito consolidado é uma solução cada vez mais utilizada pelos portugueses pois permite juntar várias dívidas, desde crédito pessoal, automóvel ou habitação, para depois pagar apenas uma única taxa de juro. Atualmente, a Cofidis disponibiliza uma solução financeira para ficar livre de dívidas. O processo consiste em juntar todos os créditos e pagar uma mensalidade única e mais baixa, evitando pesadas taxas de juro.

4. Não adquira mais créditos até ter pago tudo o que deve

Se o seu objetivo é terminar o ano livre de dívidas, então aconselhamos a que, após o pagamento de todas as dívidas do cartão de crédito e de empréstimos, deixe estas soluções financeiras de lado por algum tempo. Não caia na tentação de adquirir mais créditos até ter pago tudo o que deve, evitando assim situações de sobre-endividamento. Quando tiver a sua situação financeira estabilizada poderá recorrer ao uso de um novo crédito, contudo, deverá ter alguns cuidados especiais.

É importante que tenha atenção às boas práticas de uso de cartão de crédito e de soluções de crédito pessoal, de modo a evitar situações que possam agravar a sua situação financeira.

Se continuar a usar o seu cartão de crédito de forma irresponsável acabará por voltar a endividar-se e dessa forma não conseguirá ver-se livre das dívidas atuais que possui.

5. O aconselhamento financeiro pode ser muito útil 

Recorrer ao aconselhamento da sua instituição financeira ou de empresas especializadas no assunto é sempre uma boa solução, visto que poderão, em conjunto, analisar a sua situação financeira e obter estratégias específicas. Através de uma análise feita por um especialista, será mais fácil saber como praticar uma gestão adequada das dívidas e conseguir uma perspetiva de pagamento das mesmas.

Poderá ainda obter ajuda para chegar a um acordo com as instituições credoras. Alguns bancos permitem uma renegociação dos empréstimos pois querem garantir o retorno de algum dinheiro, outros apenas possibilitam a negociação através do consultor financeiro do banco. 

Caso o seu orçamento não lhe permita pagar a sua dívida, aconselhamos a que contacte, o mais rápido possível, um gestor financeiro especializado visto que, quanto mais tempo esperar, mais juros está a acumular, criando o indesejável efeito bola de neve.

Adriana Inácio

Sobre Adriana Inácio

Formada em Gestão Hoteleira e especializada em Marketing Digital, a Adriana iniciou a sua carreira em hotelaria e, posteriormente, em marketing e publicidade. Explorando a temática das Finanças Pessoais associadas à Cultura e Lifestyle, das promoções aos cupões, passando pelas dicas de poupança mais criativas, a Adriana está sempre à procura de novas formas de ajudar os portugueses a otimizar a sua gestão financeira.