Começar do zero: investir com pouco dinheiro

|Posted by | Poupança e Investimento, Todos os Artigos
Tags: , , , , , , , , ,
Em Portugal existem várias opções para investir com pouco dinheiro, mostradas neste artigo. Ações, obrigações e crowdfunding são algumas sugestões.

Investir dinheiro num banco é, geralmente, uma boa ideia e o mais comum entre os portugueses. O depósito é seguro e, além disso, começa a ganhar com a acumulação de pequenos juros, ao contrário do que acontece quando guarda o dinheiro numa gaveta. No entanto, as taxas de inflação em Portugal podem baixar o valor do seu dinheiro com o tempo e, pior, as taxas de juro dos depósitos bancários raramente igualam ou excedem as taxas de inflação.

Em Portugal existem várias opções quando se trata de fazer o primeiro investimento, especialmente quando começa apenas com uma quantidade limitada de capital. Apresentamos, abaixo, algumas opções de investimento que não necessitam de uma grande quantia de dinheiro.

Investir em obrigações

Uma obrigação é um valor mobiliário, representativo de dívida de uma empresa ou do Estado em relação a terceiros. Nos dias que correm, as empresas emitem cada vez mais dívida, proporcionando rendibilidades interessantes a quem investe associadas ao rating das empresas (avaliação da capacidade de atingir os compromissos financeiros).

As SADs do Sporting Clube de Portugal e do Futebol Clube do Porto puseram em maio a subscrição de obrigações a três anos que pagam 6,5% e 5% por ano, respetivamente. Apesar de não ser um investimento 100% seguro, o rendimento proposto, apesar de ser alto, pode não ser suficiente.

Há casos em que é aconselhável que invista no mínimo mil euros para assegurar uma boa compensação. Este valor é, por exemplo, o mínimo que pode investir em Certificados do Tesouro.

Investir em ações

As ações representam uma pequena parte do capital social de uma empresa. Ou seja, ao investir em ações é automaticamente detentor de uma parcela de ativos e de ganhos de uma determinada empresa. Em Portugal, existem 57 companhias listadas na Bolsa de Valores, que contém o PSI 20 (com 18 empresas) e o PSI Geral (57).

Atualmente, não é necessário muito dinheiro para investir na bolsa. Semanalmente, as Bolsas de Valores de todo o mundo apresentam grandes oportunidades de investimento. Ao comprar e vender ações pode conseguir obter rentabilidades superiores a 10%, com a possibilidade de ganhar uma percentagem dos lucros da empresa em questão. Hoje em dia, com um investimento de mil euros pode ganhar bons retornos.

Mas antes de aplicar o dinheiro num investimento, é importante escolher um bom corretor. Este vai funcionar como intermediário entre si e o mercado de valores, facilitando as suas transações.

Quase todos os bancos presentes em Portugal têm um corretor de bolsa, contudo, o corretor irá receber uma determinada comissão sobre o valor de compra e venda das ações, valor este que deve ter em conta no momento em que decidir investir.

Atualmente, as plataformas online de investimento são muito mais comuns e fáceis de utilizar. A GoBulling, ActivoTrade e a plataforma do SaxoBank, assim como de tantos outros bancos com grande foco no online, são alguns exemplos de plataformas online onde pode investir em ações.

No entanto, antes de investir em ações deverá analisar a sua situação financeira e, não menos importante, fazer um plano de investimento de forma a garantir que o dinheiro que vai investir não lhe vai fazer falta para as despesas diárias.

Curiosidades sobre grandes investidores e empresários que começaram, ainda novos, a investir na bolsa:

  • Warren Buffet: comprou a sua primeira ação com 11 anos, nomeadamente três ações da Cities Service Preferred.
  • Ray Dalio: comprou a sua primeira ação quando tinha 12 anos, nomeadamente da Northeast Airlines.
  • Peter Lynch: investiu em ações da Flying Tiger quando ainda estava na faculdade.

Investir em startups

As startups estão na moda. O crowdfunding também. O que não faltam são plataformas online de investimento em startups, nas mais variadas áreas. Se sente que aquela empresa recém nascida pode ser a próxima Apple ou Google, pode investir de pequenas a grandes quantidades em plataformas como a Kickstarter ou a Seedrs.

Investir em imobiliário

O investimento nesta área reúne várias alternativas e interesse de muitas pessoas, pois permite obter rendimentos sem (muito) trabalho, pelo menos teoricamente. Por exemplo, se tiver um grupo de dez amigos, investir num imóvel não fica assim tão caro quanto isso.

A localização deve ser estratégica, isto é, se escolher um imóvel perto de uma zona universitária, é muito provável que todos os anos tenha inquilinos estudantes. Se a casa estiver numa zona turística, melhor ainda!

Se não quiser comprar uma casa de origem, pode sempre enveredar pelo subarrendamento, onde fará de intermediário entre o utilizador efetivo e o proprietário original. Veja aqui o mercado de crédito habitação.

Investir em fundos específicos

Outra alternativa é apostar em fundos de investimento com foco específico em economias em crescimento, como por exemplo África, os BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), etc. Pode fazê-lo através de praticamente todos os bancos em Portugal, principalmente os que apostam na banca de investimento, como são os casos do Banco Invest, BiG, Caixagest, BPI Investment Funds, Orey, entre  muitos outros.

Um investimento seguro seria, sem dúvida, numa companhia blue chip, isto é, em corporações multinacionais, muito sólidas financeiramente e com dívidas controladas cujos produtos ou serviços são líderes nos mercados que operam.

Investir em fundos mútuos

Outra das opções de investimento são os fundos mútuos. Investir em fundos mútuos significa que o dinheiro é utilizado para fazer vários investimentos, como ações, títulos de crédito e quaisquer fundos do mercado monetário. Neste modelo de investimento também não precisa de investir muito capital para ter bons retornos.

Um fundo mútuo é gerido por um profissional de investimentos que tem como principal objetivo otimizar o fundo de forma a ganhar mais dinheiro. No entanto, apesar do seu dinheiro ser gerido por outra pessoa, deve estar sempre informado e atualizado sobre onde anda e que caminho está a tomar, de forma a garantir o alinhamento de incentivos entre as partes.

Tudo isto é vantajoso, mas não podemos descurar os riscos que implicam estes investimentos. Investir em ações tanto pode trazer grandes percentagens de lucros, como perdas. Contudo, se fizer um investimento a longo prazo, a possibilidade de perder dinheiro é mais reduzida.

Por outro lado, o investimento em fundos mútuos pode implicar a diminuição do valor das ações quando há prejuízo. No entanto, neste tipo de investimento esse risco é diminuto. Com isto, o ComparaJá.pt pretende alertá-lo para a importância de analisar bem todas propostas disponíveis, assim como a sua situação financeira, antes de tomar uma decisão de investimento.

Como pode ver, investir não significa apenas aplicar uma grande quantidade de dinheiro numa ideia de negócio. Os investimentos mencionados possibilitam o aumento de capital empregando uma pequena quantia de dinheiro. É o primeiro passo para que, no futuro, seja um excelente investidor!

Frederico Moura Martins

Sobre Frederico Moura Martins

Formado em Ciências da Comunicação e especializado em Ciência Política, o Frederico iniciou o seu percurso profissional em jornalismo e, posteriormente, em produção de conteúdos digitais. Procura aplicar a sua paixão por contar histórias na desmistificação da complexidade dos produtos e serviços financeiros para ajudar os portugueses a poupar e a tomar decisões informadas e conscientes nos diferentes âmbitos das suas Finanças Pessoais.