Em que consiste o pagamento mínimo do cartão de crédito?

|Posted by | Cartão de Crédito, Todos os Artigos
Tags: , , ,

Pagamento mínimo

Os últimos dados do Banco de Portugal (BdP) revelam que os contratos de cartão de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto aumentaram em maio deste ano relativamente ao mês anterior, tanto em número (10,5%) como em montante (16,5%). Esta é uma tendência que tem vindo a ser crescente, revelando que este é um produto cada vez mais adquirido pelos portugueses. Nas diversas modalidades de pagamento de um cartão de crédito, o pagamento mínimo é uma delas. Descubra em que consiste e se compensa reembolsar a dívida desta forma.

Em que consiste o pagamento mínimo?

É possível reembolsar o pagamento de compras/serviços com o cartão de crédito na totalidade (método através do qual o montante gasto com o cartão é retirado da conta à ordem do cliente ao fim de um prazo pré-definido, que normalmente pode ir de 20 a 50 dias) ou em prestações.

Dentro do reembolso em prestações enquadra-se a modalidade do pagamento mínimo, que consiste em, todos os meses, pagar só uma percentagem do valor que se gastou – por exemplo, 3% ou 5% – até liquidar a dívida na totalidade. Contudo, note-se que esta percentagem pode ser mais elevada: 25%, 50%, 75% e por aí adiante consoante o que o cliente acordar com o banco.

A grande diferença do pagamento mínimo para o pagamento na totalidade reside no facto de nesta última opção o consumidor não pagar juros (acabando por ser um empréstimo sem juros).

Quais são as vantagens e desvantagens?

O método de reembolso do cartão de crédito por via do pagamento mínimo torna-se muito cómodo para o cliente, porque acaba por lhe permitir fazer uma compra de um valor mais avultado e reembolsar em pequenas tranches.

Todavia, nem tudo são benefícios. Ao selecionar fazer o reembolso da dívida desta forma, o consumidor terá mais custos, uma vez que terá de pagar juros pela compra efetuada (contrariamente ao que acontece com o pagamento na totalidade).

Vejamos um exemplo prático.

A Mafalda precisava muito de comprar um novo computador. A escrever a sua tese de Mestrado em Estatística e apaixonada como é por Fotografia, o seu atual portátil já não comportava tantos softwares e já não oferecia a capacidade de armazenamento e de processamento que esta brilhante estudante-trabalhadora precisava.

Não dispondo à ordem dos 1300 euros de que necessitava para realizar esta compra, recorreu ao seu cartão de crédito e optou por reembolsar esta dívida através da modalidade de pagamento mínimo para ir pagando o seu novo computador faseadamente e sem que isso pressionasse as suas finanças.

Assumindo a taxa máxima aplicada aos cartões de crédito para este trimestre, definida pelo BdP – 15,7% – vejamos então quanto é que a Mafalda ficaria a pagar por mês.

Supondo-se que o seu cartão não tem qualquer anuidade (o que significa que a Mafalda não terá despesas para além dos juros associados à aquisição do computador) e que a percentagem escolhida do pagamento mínimo mensal é de 5%, então a Mafalda demoraria 57 meses a liquidar a dívida na totalidade e iria pagar um total de juros de 296,40 euros.

Portanto, esta consumidora iria demorar mais de quatro anos a saldar esta dívida, ficando a pagar juros todos os meses durante todo este tempo. A alternativa para pagar menos juros seria aumentar a percentagem do pagamento mínimo do cartão de crédito acordada com a instituição financeira.

Neste sentido, se a Mafalda decidisse, ao invés, aumentar a percentagem do pagamento mínimo de 5% para 25% pagaria então 49,92 euros de juros – o que significa uma poupança de 249,48 euros.

Embora tivesse de aumentar a quantia que pagaria mensalmente, a verdade é que o valor total do crédito ficaria muito mais acessível. Por muito que a prestação mensal pese no orçamento, há que olhar sempre para o montante total dos juros.

É possível notar, assim, que os custos de fazer compras com o cartão de crédito têm muito que ver com o montante pago, com a percentagem de pagamento selecionada e também com o prazo escolhido. Se o cliente tiver mesmo de optar por parcelar o reembolso, há que salientar que quanto maior for a percentagem escolhida, menos juros se terá e menos meses serão necessários para terminar de liquidar.

Nair Dos Santos

Sobre Nair Dos Santos

Especializada em Economia Internacional, a Nair iniciou o seu percurso profissional em Marketing Institucional. Alia a sua criatividade ao universo financeiro com o objetivo de ajudar os portugueses a melhorar a sua literacia financeira e contribuir para o desenvolvimento de uma economia sustentável.

Comentários