Como baixar o spread do crédito à habitação?

|Posted by | Crédito à Habitação, Todos os Artigos
Tags: , , ,

baixar spread

A última retoma do mercado imobiliário trouxe consigo uma “guerra de spreads” entre os bancos, que fez com que o valor desta taxa fosse baixando. Além disso, o spread ainda é uma percentagem que em muito varia consoante o nível de risco de cada cliente e, como tal, pode ser negociável. Descubra, neste artigo, algumas dicas que podem ajudar a baixar o spread do crédito habitação.

Com os bancos a concorrerem ferozmente com campanhas apelativas, comprar aquela moradia nos arredores ou o apartamento de sonho no centro da cidade, com bons acessos e perto do trabalho, torna-se possível. Mas cuidado: não há almoços grátis. Um spread reduzido não vem sem contrapartidas e pode não compensar.

Mesmo para quem já tem um crédito habitação, é útil saber como baixar esta taxa e ficar a par dos valores que estão a ser praticados atualmente pelo mercado, pois existe sempre a possibilidade de se transferir o empréstimo para outra instituição ou mesmo negociar o spread que se tem com a atual.

Siga os passos abaixo para ter a certeza de que faz a melhor escolha.

Negociar para baixar o spread é imperativo

Se perceber que o seu spread se encontra neste momento acima de 2%, é a altura ideal para se deslocar ao banco para falar com o seu gestor de conta e propor-lhe baixar o spread. Quanto melhor for a sua relação com o banco, mais vantajoso será para si. Um cliente antigo e com um bom historial de crédito tem maior poder de negociação.

Por conseguinte, é essencial comparar outras ofertas do mercado, simular e analisar alternativas. Assim, quando se deslocar ao banco, poderá mostrar o quão informado se encontra acerca do assunto e da concorrência e poupar umas belas dezenas de euros.

Estar disposto a subscrever outros produtos do banco

As práticas de cross-selling são comuns nas instituições bancárias: para baixar o spread é normal que o banco peça ao cliente que subscreva outros produtos financeiros, tais como cartões de crédito ou seguros, ou até que domicilie o ordenado.

Isto é algo que até pode beneficiar o consumidor que assim, para além de baixar o spread, ainda estreita a sua relação com o banco. No entanto, é fundamental comparar os custos destes outros produtos, pois se os encargos anuais com um cartão ou um seguro adicional forem superiores à diminuição do spread, pode não compensar.

Como comparar as despesas associadas a estes produtos? É simples e é através da TAEG (Taxa Anual de Encargos Efetiva Global), que representa o custo total do empréstimo ao englobar o valor dos seguros contratados com o empréstimo, comissões, juros, despesas com impostos e/ou relativas a registos (se aplicável) e outros encargos que possam estar associados.

Mudar de banco é possível?

Sim. Se encontrar uma proposta com melhores condições noutra instituição, basta proceder à renegociação ou à transferência do crédito à habitação em qualquer momento do contrato.

É necessário apenas avisar o banco com uma antecedência de 10 dias úteis. Mas atenção: esta transferência não é feita sem custos para o consumidor. Se quiser proceder desta forma, de acordo com o artigo 23º do Decreto-Lei nº 74-A/2017, terá de pagar uma comissão à instituição credora, sendo que essa não pode:

  • Exceder 0,5% do capital que é reembolsado para os contratos com taxa variável;
  • 2% no caso dos de taxa fixa.

Se for para reduzir a sua prestação, por exemplo, em 50 euros, se calhar é melhor pensar bem antes de pagar uma comissão elevada. É uma questão de fazer as contas.

No início do empréstimo, dê a maior entrada que conseguir

Quanto maior for a entrada inicial do imóvel, menor será o financiamento que o banco tem de lhe conceder e, consequentemente, menor será o spread. Desta forma, é possível baixar o spread logo no início da contratação se tiver possibilidade de dar mais capitais próprios para a compra da casa.

No entanto, e para concluir, note que, mesmo que um determinado banco publicite um spread mínimo muito apelativo, não é garantido que consiga esse valor no seu contrato, uma vez que esta taxa se encontra sujeita a uma avaliação das características do cliente, do montante do financiamento e do rácio LTV.

Nair Dos Santos

Sobre Nair Dos Santos

Especializada em Economia Internacional, a Nair iniciou o seu percurso profissional em Marketing Institucional. Alia a sua criatividade ao universo financeiro com o objetivo de ajudar os portugueses a melhorar a sua literacia financeira e contribuir para o desenvolvimento de uma economia sustentável.

Comentários