Aprenda a ler o extrato bancário

|Posted by | Produtos Bancários, Todos os Artigos
Tags: , , , , ,

Extrato bancário

Se detém uma conta bancária, certamente já recebeu em papel ou no seu email um extrato bancário. Mas sabe exatamente o que cada parte deste documento significa? Aprenda a ler o seu extrato bancário e descubra se existem erros nas suas contas.

O que é um extrato bancário?

Um extrato bancário é um documento disponibilizado pelas instituições financeiras que apresenta ao cliente o saldo, os movimentos e outras informações relativas à sua conta bancária.

Existem vários tipos de extrato bancário, nomeadamente:

  • O extrato bancário que o cliente solicita, quer através do Multibanco, quer através do serviço de homebanking;
  • O extrato bancário enviado mensalmente pela instituição financeira, em papel ou por email.

Note que:

O Banco de Portugal regulamentou que os extratos bancários têm de ser disponibilizados pelas instituições mensalmente, excetuando os casos em que não tenham existido movimentos na conta e, se assim for, este documento pode ser disponibilizado anualmente.

O que deve conter um extrato bancário?

Num extrato bancário aparecem todas as informações da sua conta bancária, assim como os movimentos e saldos da sua conta à ordem, de eventuais contas poupança e até de empréstimos que tenha contratado com uma instituição financeira.

Assim, o extrato bancário que lhe é enviado mensalmente pela entidade financeira deve apresentar, no mínimo, as seguintes informações:

  • Data de início e término do período a que se refere o extrato mensal;
  • Datas e data-valor dos movimentos;
  • Descrição de cada operação;
  • Montante e natureza dos movimentos (crédito ou débito);
  • Moeda utilizada;
  • Saldos contabilístico e disponível;
  • Confirmação da elegibilidade dos depósitos detidos pelo cliente para o Fundo de Garantia de Depósitos através de referência ao Formulário de Informação ao Depositante (FID).

Para além destas informações, note que é possível que os extratos bancários mensais variem de instituição para instituição, pelo que, caso tenha alguma dúvida, deverá contactar o seu banco.

No entanto, o extrato que retira através do Multibanco ou pela Internet é diferente. Quando disponibilizado através do Multibanco, este detém a data e a hora em que solicitou o documento, bem como as 10 últimas transações que realizou. Nestas é apresentada a data, a natureza do movimento (se é a débito ou a crédito), o respetivo montante e uma pequena descrição da operação. Por fim, são-lhe apresentados os saldos.

Caso retire este documento do homebanking, poderá selecionar o espaço temporal desejado ou o número de movimentos que pretende consultar, assim como a natureza destes. Já a informação disponibilizada é a mesma que é apresentada no Multibanco.

O que ter em atenção ao ler o extrato bancário?

Existem alguns aspetos que deve ter atenção quando lê o seu extrato bancário enviado mensalmente pela instituição financeira.

1. Espaço temporal do documento

A data de emissão e o período abrangido pelo extrato bancário ajudam o cliente a saber, de início, a que mês ou datas correspondem os movimentos que irá consultar.

Imagine que tinha um débito direto para pagar a mensalidade do ginásio que frequentava, mas, mesmo após o cancelamento da inscrição no mês anterior, foi-lhe debitado o valor correspondente a uma mensalidade, como se ainda estivesse a frequentar esse ginásio. Com este documento será mais fácil para o cliente aperceber-se deste tipo de situações irregulares.

2. Data e data-valor

Poderá existir uma diferença entre estas duas. A primeira diz respeito à data em que ocorreu a operação de débito ou de crédito; já a segunda trata-se da data a partir da qual a instituição irá debitar ou creditar o montante em questão na sua conta bancária.

As datas podem diferir, por exemplo, quando uma dada operação é feita no fim de semana ou até mesmo quando efetua um pagamento numa determinada loja ou serviço que apenas conclui o pagamento dias depois (por exemplo, no caso do pagamento de portagens com cartão).

3. Movimentos

Talvez esta seja a parte mais importante do seu extrato bancário. É aqui que consegue perceber se foi vítima de fraude, por exemplo. Faça uma análise aos movimentos discriminados e, se encontrar algo fora do comum ou uma transação que não se lembra de ter efetuado, fale com o seu banco para esclarecer esta situação.

4. Natureza dos movimentos

Nos movimentos existentes no seu extrato bancário é preciso saber distinguir entre os de crédito (apresentados com a sigla “CRE”) e os de débito (apresentados com a sigla “DEB”).

Por um lado, os movimentos a crédito são entradas de dinheiro na sua conta (por exemplo: o seu ordenado, transferências recebidas ou depósitos de cheques). Quanto aos movimentos a débito, estes correspondem a saídas de dinheiro da sua conta, tais como pagamentos, débitos diretos, comissões e despesas, entre outros.

5. Saldos apresentados

Quando ler o seu extrato bancário verá que a instituição financeira diferencia dois tipos de saldo: o saldo contabilístico e o saldo disponível.

O saldo contabilístico é o resultado dos movimentos a crédito e a débito na sua conta bancária. No entanto, pode ser superior ou inferior ao saldo disponível:

  • Pode incluir, por exemplo, o valor de um cheque que depositou, mas que ainda não recebeu o montante na sua conta;
  • Pode ser negativo se, por exemplo, utilizar o descoberto bancário disponibilizado pela instituição.

Já o saldo disponível corresponde ao valor que detém, efetivamente e naquele momento, na sua conta e que poderá utilizar sem que lhe sejam cobrados juros ou outros encargos.

Assim, para analisar o seu extrato bancário, deve perceber se a diferença entre ambos (se existir) está correta e, caso o seu saldo contabilístico detenha um valor negativo elevado, deverá analisar junto do seu banco a melhor solução para reequilibrar as suas finanças pessoais.

6. Posição financeira

A sua posição financeira também lhe é apresentada no extrato bancário. Esta secção apresenta o total do seu património dividido entre a poupança e o crédito.

Assim, a poupança diz respeito à conta poupança, depósitos a prazo, fundos de investimento, PPR e outros produtos financeiros de poupança e investimento que detém na instituição financeira.

Os créditos são os empréstimos que contratou com essa instituição: desde o crédito à habitação ao crédito automóvel até ao cartão de crédito.

Todos estes produtos que tenha contratado na entidade financeira são apresentados ao pormenor ao longo do extrato bancário. Nos depósitos a prazo deve constar, entre outras informações, informação sobre qual o tipo de depósito, a taxa de juro e o capital investido. Já nos empréstimos deve ser-lhe apresentada a prestação que pagou e qual o capital em dívida.

Porque é que o extrato bancário é tão importante?

O extrato bancário é o documento que agrega todos os movimentos que fez e todos os produtos financeiros que detém numa instituição financeira, num determinado período de tempo. Isto ajuda os clientes a gerir as suas finanças pessoais e ajuda a encontrar possíveis fraudes.

Se examinar com atenção este documento mensalmente, verá que fica a ganhar. Por um lado, consegue descobrir se está a ser vítima de fraude, pois pode detetar movimentos que não realizou na sua conta. Por outro, ser-lhe-á mais fácil encontrar padrões nos seus gastos e perceber onde gasta mais dinheiro (a comprar roupa ou a almoçar muitas vezes fora, por exemplo).

Esta análise deve ser feita com calma e, se fizer as contas e identificar onde pode poupar, será mais fácil para si não só pagar o valor que tem em dívida dos seus empréstimos, mas também aumentar as suas poupanças.

Rute Claro

Sobre Rute Claro

Formada em Gestão de Marketing, a Rute especializou-se em Comunicação, Marketing e Publicidade. Através do gosto que tem pela escrita, pretende demonstrar aos portugueses que os produtos e serviços financeiros não são um bicho de sete cabeças e que é, de facto, possível poupar.

Comentários