Como renegociar crédito? Tudo o que precisa de saber

|Posted by | Crédito Pessoal, Todos os Artigos
Tags: , , , , ,

Renegociar crédito

Para os consumidores portugueses que detêm financiamentos em seu nome, poderá ser uma boa altura para renegociar crédito devido às reduzidas taxas de juro. Mas que fatores deve considerar para conseguir melhores condições para o seu empréstimo e como o fazer?

Segundo o Banco de Portugal, as taxas de juro aplicadas ao crédito ao consumo têm vindo a cair ao longo dos últimos anos. No terceiro trimestre de 2018, a taxa de juro máxima de 6,2% era, ainda assim, inferior face à do período homólogo em 2013.

Com esta tendência decrescente, poderá fazer sentido solicitar um empréstimo bancário, renegociar crédito ou até consolidar várias dívidas e conseguir poupar algum dinheiro.

Formas de poupar com o seu crédito

Existem três formas de conseguir poupar no montante em dívida do seu crédito, permitindo aos consumidores uma redução da prestação mensal a pagar e, consequentemente, uma melhoria no orçamento familiar.

1. Renegociar crédito

Antes de entrar num processo de renegociação das condições de um empréstimo (especialmente se estivermos a falar de renegociar crédito habitação) deve analisar, de forma cuidada, a sua situação, em especial a sua taxa de esforço. Este será um dos seus maiores trunfos durante as negociações, uma vez que a instituição financeira não pretende que deixe de cumprir com os seus pagamentos mensais.

O valor aconselhável desta taxa deve situar-se entre 30% a 45%, o que significa que as suas despesas fixas obrigatórias (tais como a renda da casa) não devem pesar mais do que esta percentagem no seu orçamento. Acima deste montante pode começar a haver risco de incumprimento.

2. Consolidar todos os empréstimos

Outra solução para renegociar crédito passa por juntar todos os seus empréstimos num só. Neste processo pode ficar a pagar uma prestação mensal até 60% inferior à que tem atualmente. Assim, fica só com um único montante para liquidar por mês e não várias quantias dispersas.

3. Transferir o montante em dívida

Por fim, para poupar – e muito – na prestação mensal do seu crédito, poderá transferi-lo para outra instituição. Em especial no crédito à habitação, ao passar a dívida para outro banco normalmente é possível poupar milhares de euros no Montante Total Imputado ao Consumidor (MTIC).

Uma vez que a EURIBOR se encontra em terrenos negativos, e com spreads cada vez mais competitivos – atualmente nos 1,15%, este ultrapassava os 3% no pico da crise financeira – a transferência poderá levar à diminuição da taxa de juro do seu financiamento.

No entanto, ao transferir o crédito poderá ter de pagar uma comissão de reembolso antecipado. Algumas instituições financeiras cobrem este custo nos processos de transferência, mas é importante conhecê-lo para evitar surpresas.

A comissão de reembolso antecipado no crédito à habitação varia consoante o financiamento esteja contratado com taxa de juro fixa ou variável:

  • 0,5% se a taxa de juro for variável;
  • 2% se a taxa de juro for fixa.

Caso se trate de um crédito pessoal, dependendo do montante, do prazo em falta e se foi contratada taxa variável ou fixa, a comissão de reembolso antecipado é a seguinte:

  • Se for taxa fixa: corresponde a 0,5% do montante do capital reembolsado, se o período entre a data de reembolso e a de termo do contrato de crédito for igual ou superior a 1 ano; e 0,25%, se for inferior a 1 ano;
  • Se for taxa variável: geralmente não existe comissão.

Segundo o Decreto-Lei nº 133/2009, que entrou em vigor a 1 de julho de 2009, o cliente tem direito a exercer, a qualquer momento, o reembolso antecipado, total ou parcial do valor do crédito, devendo avisar a instituição com uma antecedência mínima de 30 dias de calendário.

Por fim, ao proceder à transferência de um crédito deve ainda considerar os custos da abertura de um novo empréstimo, que variam de banco para banco e que podem incluir:

  • Comissão com estudo e montagem;
  • Comissão de dossier;
  • Comissão inicial e de abertura;
  • Comissão de avaliação;
  • Comissões associadas a atos administrativos;
  • Imposto do Selo.

Note também que, para conseguirem captar novos clientes através da transferência de crédito, algumas instituições financeiras suportam estes custos.

6 Fatores a considerar para renegociar crédito

A renegociação de créditos pode ser feita por qualquer pessoa, inclusive por quem já teve incidentes bancários, por quem tem uma elevada taxa de esforço ou até por quem tem o nome na Lista Negra do Banco de Portugal.

No entanto, para um consumidor com um mau histórico de crédito, a dificuldade em obter as condições desejadas será naturalmente superior. Note que, se está em incumprimento, poderá recorrer ao PERSI – um processo de negociação entre o cliente e o banco – para conseguir pagar a sua dívida de forma mais acessível.

Caso até nem tenha dívidas, mas sente que poderia ter um contrato com melhores condições, não se acanhe e conheça os fatores a considerar para renegociar crédito.

1. Consolidar vários créditos

Esta opção só é viável se tiver mais do que um crédito. Ao juntar vários empréstimos passa a ter uma taxa de juro única e um só encargo financeiro.

2. Período de carência

Esta é provavelmente a alternativa que mais alivia, de forma imediata, o pagamento do empréstimo. Ao solicitar ao banco a carência de capital fica a pagar apenas juros, o que significa que durante esse tempo a prestação será reduzida.

O período de carência pode ser solicitado em duas situações distintas: no início da contratação do crédito ou durante o prazo de reembolso da dívida (este último caso é mais comum quando o cliente está a renegociar crédito para equilibrar as suas finanças).

Contudo, note que esta opção também tem desvantagens: mais tempo para liquidar o empréstimo significa que este ficará mais caro na totalidade, pois pagará juros durante mais tempo.

3. Alargar o prazo de pagamento

Esta é uma das opções mais simples, pois, tal como o próprio nome indica, trata-se apenas de solicitar mais tempo para pagar o empréstimo ao banco.

Mas não se esqueça: mais tempo para pagar significa ter uma prestação menor, mas com mais juros.

4. Adiar a dívida

Se optar pelo diferimento de capital, poderá adiar parte da dívida para o final do prazo do empréstimo. Normalmente, com esta solução fica a pagar apenas juros durante o período acordado.

No entanto, pense duas vezes, pois tem de ter a certeza de que no fim do contrato terá dinheiro suficiente para reembolsar o capital adiado.

5. Negociar o spread

Embora não seja frequentemente aceite pelos bancos, esta é uma opção que vale a pena ponderar. O spread é a percentagem de lucro que as instituições financeiras obtêm quando concedem crédito. Se acha que o spread do seu empréstimo é muito elevado, tente renegociá-lo – compare propostas de outros bancos e se identificar uma com melhores condições, tente negociar.

6. Alterar o regime da taxa de juro

A última alternativa para renegociar crédito reside em alterar o regime da taxa de juro. Neste caso, poderá tentar negociar com o banco a passagem de uma taxa de juro variável para uma fixa ou, mesmo num crédito com taxa variável, tentar mudar o indexante associado (EURIBOR a 3, 6 ou 12 meses).

Nos créditos com taxa fixa, a prestação mantém-se estável durante o período contratualizado com o banco. A grande vantagem de escolher este regime é saber que os custos não se alterarão durante o período acordado.

Pode, ainda, ser um regime vantajoso no caso de as taxas EURIBOR subirem. No entanto, se a tendência for a contrária, a prestação mensal não reflete essa queda e, como tal, os encargos mensais não descem na mesma proporção.

Além disso, deve ter em mente que, geralmente, a prestação de um empréstimo com taxa de juro fixa é mais elevada do que a indexada à EURIBOR, pagando-se uma prestação mais elevada por não haver oscilação.

Mas afinal, como renegociar crédito?

Para renegociar a sua dívida da melhor forma, deve seguir apenas quatro passos. Não se esqueça que a decisão cabe-lhe apenas a si e, portanto, só deve aceitar uma proposta se a mesma for realmente vantajosa para si.

1. Faça as contas

Em primeiro lugar, deve analisar a sua situação financeira. Qual é a sua taxa de esforço? Qual é o valor para o qual pretende reduzir a sua prestação mensal?

Faça uma análise detalhada às suas despesas e aos seus créditos, percebendo em que pode poupar. Não se esqueça de considerar os seis fatores anteriormente apresentados.

2. Fale com o seu banco

Entre em contacto com a sua instituição financeira – ou com outra, caso pretenda transferir o crédito ou consolidar dívidas – e explique a situação. Mostre quais as características gostaria de ter no seu crédito.

No entanto, deve ser realista. Por exemplo: se tem dívidas, não poderá esperar uma grande alteração nas condições do empréstimo.

3. Leia e compreenda bem todas as propostas

Analise a sua proposta ou as várias que receber e leia com muita atenção. Lembre-se que quantas mais propostas tiver do seu lado, mais facilmente conseguirá escolher a opção mais indicada para si.

Na FINE – documento obrigatório que lhe deve ser entregue pelo banco – terá acesso a informação detalhada de todas as condições do crédito. Após a leitura da mesma, não hesite em questionar as instituições financeiras caso lhe surjam dúvidas. Deve ficar totalmente esclarecido para que não haja surpresas no futuro.

4. Escolha a melhor solução para si

Renegociar crédito é uma tarefa complicada e deve resultar de um acordo total entre o cliente e a instituição financeira. Antes de aceitar qualquer opção, deve pesar as vantagens e desvantagens.

Faça as contas e perceba se é viável: o MTIC é superior? E a prestação mensal a pagar? Existem comissões a pagar e, se sim, quanto custam? Nunca se esqueça que alguns dos fatores de negociação podem aumentar o MTIC, como é o caso do aumento do prazo de pagamento, a escolha de diferimento de capital ou de período de carência.

Mais vale renegociar do que remediar

Já dizia o ditado “mais vale prevenir do que remediar”. E dizemos o mesmo para renegociar a sua dívida. Mais vale optar por renegociar crédito do que entrar em incumprimento e ter maior dificuldade em negociar com o seu banco para conseguir melhores condições.

No entanto, há aspetos a considerar antes de negociar para conseguir ter melhores condições. Ao saber as características que pretende alterar na renegociação do crédito, irá demonstrar ao banco que tem algum conhecimento financeiro e que não se deixará enganar.

Leia ainda as propostas apresentadas e tire todas as dúvidas que lhe surjam, podendo optar também por recorrer a aconselhamento financeiro especializado. Só assim irá conseguir escolher a melhor solução para a sua situação em particular.

Rute Claro

Sobre Rute Claro

Formada em Gestão de Marketing, a Rute especializou-se em Comunicação, Marketing e Publicidade. Através do gosto que tem pela escrita, pretende demonstrar aos portugueses que os produtos e serviços financeiros não são um bicho de sete cabeças e que é, de facto, possível poupar.